Seguidores

sábado, 25 de junho de 2011

INDEFINIÇÃO

13 comentários:

  1. os poetas são tristes, são sozinhos, gostam da noite, do vazio, e das solidões onde deixam apenas entrar suas nostalgias, suas dores e sangram ate desfalecer gostam das noites cigarro, bebida e bares escuros, esta foi uma descrição que ouvi um dia dos poetas... e não concordo, pq que eles gostam disso tudo e da alegria, de estar apaixonado, de andar pelo parque desafiando a força do sol, eu ainda acho que os poetas têm uma alma sensível e escrevem mais e melhor quando estão sofrendo...mas, acho que tbem escrevem bem quando amam e estão felizes.sua poesia tem um traço triste, uma saudades, uma vontade de voltar.será que é isso mesmo, ou não será pra poder continuar sofrendo.seus versos têm uma beleza lírica, que toca dentro da alma, que sempre vê, e fica, esperando sozinho o outro dia, depois outro e assim ate que cumpra os círculos da vida.
    Gosto forma como escreves.
    Desejo-te um belo domingo...bjo querido...
    Obrigada pela visita ao meu blogger, volte sempre, será muito bem vindo, sempre!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Alberto
    Que sábio versos! Este é o retrato do ser humano; a indefinição. a eterna busca, a contradição. é atarvés desses caminhos que nos encontramos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá meu querido Alberto,

    Agradeço as suas palavras e deixei comentário no meu blog.
    Como diz tanto com tão parcas palavras!
    É um dom, nasceu consigo.
    Volte mais vezes e poste mais, também. Nós, leitores lhe agradecemos.

    Beijos carinhosos de luz.

    ResponderExcluir
  4. Versos que encantam e nos inspira a novas possibilidades. Grata pela visita. Bom domingo.

    ResponderExcluir
  5. Somos assim, indefinidos, incompletos; penso que nisto reside o encantos de muitos de nós. Um breve e lindo poema!

    abçs

    Betha

    ResponderExcluir
  6. Quando os versos deslumbram a alma, é por que a metrificação na vida, caminha na direção dos desejos sonhados.
    Obrigado por ter comentado no meu blogue. Estou lhe seguindo no blogue, espero-te lá outras vezes.
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. alberto amigo...
    grata pela presença no meu blog e pela forma carinhosa que falastes...grata és que uma querida presença.
    é, meu amigo um amor assim companheiro que faz uma espécie de jura/promessa ou premonição, um amor acompanhado, que chora desde já a saudade da pessoa amada, o silêncio, e a ausência do toque, de ver, o amor que ama amar e ser amado, destes que quem tem, sabe ter, sabe vivê-lo, sabe guardá-lo, toca com mão cheia de ternura, e na voz qta saudade , ate mesmo quando o autor diz “Um dia, um cisne morrerá por certo.
    E quando chegar este momento incerto,
    No lago, onde talvez a água se tisne,

    Que o cisne vivo, cheio de saudade,
    Nunca mais cante, nem sozinho nade,
    Nem nade nunca ao lado de outro cisne...” esta saudade é quando chegar à morte mais cedo, e não tarda o dia nem hora.
    Beijo querido, este poema é de verás lindo, sei que o coração bate mais forte, e o pulsar acalma, quando vivemos assim entre a dor e a saudade, entre a vida e a morte, depois da presença, ausência...carregamos nos olhos a ausência presente de quem já não podemos ver.mas, ainda assim sempre esta presente, colado na retina,
    Abraços fartos amigo...
    Sua poesia é realmente emocionante, dói e lamenta, chora e olha pro horizonte.escreves lindamente.
    volte amigo, quando quiser, esta casa é sua e nossos amigos muito queridos...

    ResponderExcluir
  8. Olá Alberto !

    Agradeço por sua visita ao meu blog e por deixares carinhosas palavras. Vc tem razão, muito bom ter saudades dos que realmente fazem falta. Que Deus sempre coloque pessoas especiais em nossas vidas e que possamos fazer a diferença.
    Agradeço a diferença que fazes com seu blog.
    Até mais !

    ResponderExcluir
  9. Sim nossa vida é uma eterna busca, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  10. "Demore na dúvida ...
    E descubra a sabedoria que insiste em se esconder
    Na ausência das palavras!"

    (Pe. Fabio de Melo)

    Beijos e meu carinho...M@ria

    ResponderExcluir
  11. Olá Alberto,

    Como vai? Apareça. Tenho saudades suas e da sua poesia.
    Escreva!
    Obrigada.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  12. Olá Alberto,

    Tenho saudades suas e dos seus escritos.
    Apareça, tenho novidades.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado pela sua visita no Folhetim Cultural, espero você lá por mais vezes. No mês de Agosto teremos nova programação, com contos, crônicas, poesias, poemas e notícias culturais.

    Parabéns pelo poema é ótimo temos pessoas assim na blogesfera. Continue sempre dando mostra de seu talento se possível vamos manter contato.

    e-mail: folhetimcultural@hotmail.com
    twitter: Twitter.com/folhetimcultura ou @folhetimcultura

    Magno Oliveira
    Folhetim Cultural

    ResponderExcluir